A nova dimensão da tensão no mar Egeu entre Turquia e Grécia

A tensão entre a Turquia e a Grécia no Mar Egeu ganhou uma nova dimensão. No nosso programa desta semana, vamos analisar esta tensão e seus reflexos para a política externa turca.

A nova dimensão da tensão no mar Egeu entre Turquia e Grécia

A nova dimensão da última tensão nas relações entre Turquie e Grécia se deve a não-extradição dos soldados membros da FETO (mesmo com seu envolvimento em atividades terroristas e na tentativa de golpe), dando abrigo a centenas de membros FETO que possuem um mandado de prisão.

Isto acontece ao passo que continua a influência e apoio dado a ASALA e aos campos abertos há pouco tempo para o PKK e seu líder, Abdullah Ocalan. Neste ponto considera-se que entraram em vigor algumas políticas após os tribunais gregos tomarem a decisão de extradição dos soldados membros da FETO. Nesse processo, alega-se que houve reflexos na opinião pública com as orientações da Alemanha.

Assim, deve-se notar que a tensão nas relações bilaterais na questão do mar Egeu, aumentou com os postulados provocativos do Ministério da Defesa e das  Relações Exteriores da Grécia contra a Turquia. Avalia-se que as iniciativas que chegaram da Grécia com respeito ao Egeu, também estão relacionadas à não extradição de dois soldados capturados em território turco. Mas o governo grego, com sua força militar muito limitada em comparação com a Turquia, está inteiramente ciente de que não pode ameaçar a Turquia.

Contudo, esta atitude também pode ser avaliada como uma iniciativa para dispersar a atenção dirigida a opinião pública interna e uma mensagem destinada aos financiadores dentro da UE. Uma vez que se aumenta a percepção de ameaça e a mostra  como uma ameaça ao território da UE, pensar que a apropriação suplementar pode ser feita a partir do orçamento da UE sai como uma alta probabilidade.

Kammenos, o Ministro da Defesa grego, representa aqueles que compartilham essa esperança. Mas essa tensão não é realmente adequada aos interesses da Grécia. As reações alcançadas na opinião pública grega foram o sinal para a Turquia de que ainda existe um interlocutor suave na Grécia.

Como se pode recordar, na semana passada o ministro da Defesa que discursou para os soldados gregos que faziam manobras militares no Mar Egeu, falou da Turquia como o inimigo que provoca, acrescentando que seu país enviou 3.500 soldados de reforço para as ilhas gregas do Egeu e enviaria outros 3.500 reforços para a fronteira terrestre entre a  Turquia e o Danúbio nos próximos dias. Essas afirmações de Kammenos, que aumentaram a tensão no nível supremo no mar Egeu, tiveram grandes repercussões não só na imprensa turca, mas também na grega. Em um curto período de tempo após esta declaração na imprensa grega, houve a alegação de que o primeiro-ministro da Grécia, Aleksis Çipras, fez advertências á Kammenos sobre suas declarações.

As manobras da Grécia e do Chipre grego no Mar Egeu na iniciativa de encontrar bacias de gás natural no Mediterrâneo oriental, são vistas como um provocação por parte do governo turco.

Pode-se considerar que a abertura para residência nas ilhas pertencentes à Turquia no Egeu e por último, o processo de ocupação das ilhas, podem ter dado coragem a Kammenos. De fato, o mais lógico é que Kammenos leve em conta a existência de um partido que tem uma séria reação nas ilhas turcas ocupadas e renuncie a estas iniciativas provocativas, pois sua continuação inicia um novo processo de instabilidade política na Grécia.

Na solução do desacordo entre as partes, há muitas perguntas à espera de respostas, mas a parte grega continua a armar as ilhas que deveriam estar desarmadas.

Outra questão é a plataforma continental. Este assunto, embora tenha sido discutido durante anos pelos comitês bipartidários, ainda não pôde ser solucionado pelas partes.

Recentemente, houve uma tensão criada por essa intransigência, mas as atividades da parte grega tornam-se o fator que continua a intransigência. Ultimamente, a detenção de cidadãos turcos e gregos que cruzaram a fronteira tornou-se outro elemento que causa aumento da tensão.

O caminho da solução para a tensão no Mar Egeu é a restauração da confiança. A solução da tensão se encontra na extradição dos soldados que se refugiaram na Grécia após a tentativa de golpe, e de outros cidadãos turcos para a Turquia, na renúncia da busca de gás natural usando áreas que entram no campo de segurança da Turquia e o abandono das atividades que causam um combate caloroso no mar Egeu.

Apresentamos a avaliação sobre o tema do professor do Departamento de Relações Internacionais da Universidade de Ataturk, Dr.Cemil Dogaç İpek.



Notícias relacionadas