A luta entre os poderes globais e regionais na Síria

A Síria se tornou uma área de lutas pelo poder depois que o regime de Assad desaprovou as demandas de seu povo em 2011 e arrastou o país para a guerra civil

A luta entre os poderes globais e regionais na Síria

A luta entre os poderes globais e regionais na Síria

Análise de Can ACUN, pesquisador da Fundação para Estudos em Política, Economia e Sociedade, SETA

A luta entre as potências locais e globais na Síria está na frente da guerra civil no país. O fato de que o regime de Assad arrastou a nação em direção à guerra civil, gradualmente rejeitando as demandas sociais de 2011 em vez de democratizar, desencadeou a conversão do território sírio em uma área de luta pela força de muitos atores regionais e globais. Enquanto a Síria está sofrendo com os conflitos internos e com o terrorismo, a guerra proxy continua entre os estados da região. Além da Rússia, dos Estados Unidos, do Reino Unido e da França, os atores regionais como a Turquia, o Irã, a Arábia Saudita, o Qatar e Israel continuam ativos na Síria.

Esses atores globais e regionais estão usando muitos proxys para enfrentar seus desafios na Síria: a Rússia está fornecendo com o Irã apoio aéreo, terrestre, diplomático e financeiro ao regime sírio; Além da Força Aérea Russa e do Exército Russo, um grande número de mercenários russos assumem missões na Síria; O Irã continua a fornecer recursos humanos para Assad, uma vez que garante apoio financeiro e militar. O Irã, em contraste com a Rússia, envolve muitos elementos estrangeiros e sírios no mesmo território. Como o libanês Hezbollah, a Brigada Afegã de Fatimiun, o Movimento Nudjaba do Iraque e a Brigada Paquistanesa de Zainabbiun. Além dos proxys estrangeiros na Síria controlados pelo Irã, está o grupo chamado Forças de Proteção do Povo. Mas não apenas os representantes do Irã, mas também as tropas dos Guardiões da Revolução assumem importantes missões na Síria. A Rússia e o Irã têm aeroportos e bases militares em muitas partes da Síria.

Outra frente do conflito consiste nos EUA, França e Reino Unido. O bloco ocidental investiu no grupo terrorista YPG sob os beirais do DAESH. Está controlando uma faixa que se estende entre Manbij em direção a Abu Qamal através das Forças Democráticas da Síria fundadas com a vanguarda do YPG. Os EUA e a França têm cerca de 25 bases lá. Duas bases aéreas estão sendo usadas pelo bloco ocidental. Além disso, a Inglaterra e os EUA têm duas bases em Tanaf no sul da Síria. Lá, eles estão cooperando com uma estruturação chamada Magavir al Savra. A Arábia Saudita, apoiando a oposição síria em intensidades variadas por um longo tempo, começou a apoiar as FDS lideradas pelo YPG. Trata-se do envio de tropas de países árabes para as regiões controladas pelas FDS.

Outra frente é formada a partir da Turquia. Esta fundou 9 postos de vigilância para controlar a zona de tensão reduzida em Idlib. Está previsto que um total de 12 postos serão fundados. Além disso, continua existindo militarmente nas zonas purgadas dos grupos terroristas DAESH e YPG graças às operações Escudo del Eufrates e Ramo de Oliveira.

A Polícia Síria, previamente treinada pelas Forças Especiais Turcas, está garantindo a segurança nas regiões de Afrin, Azaz, Al Bab e Jarabulus, que se tornaram áreas resgatadas para o povo sírio. A Organização Policial da Síria depende do governo sírio em funções estabelecidas pela oposição e reconhecidas internacionalmente. Em termos militares, o Exército Nacional depende do governo atuante. E o Qatar, apoiou de perto a oposição síria antes da crise com este país, mas depois do bloqueio a influência do Qatar na Síria foi reduzida.

Um outro ator é Israel. Este estado havia expropriado as Colinas de Golã e o território da Síria em violação do direito internacional na Guerra de 67. Depois da guerra que começou em 2011, Israel fortaleceu seu domínio nas colinas de Golã. Israel, incomodado com o aumento dos representantes do Irã e com o fortalecimento do Hezbollah na Síria, ocasionalmente exerce ataques aéreos contra alvos iranianos e o Hezbollah em território sírio.

A Síria se tornou uma área de lutas pelo poder depois que o regime de Assad desaprovou as demandas de seu povo em 2011 e arrastou o país para a guerra civil. É possível dizer que a Síria foi dividida em diferentes áreas de influência depois de perder sua soberania nacional. Mas tampouco será correto reduzir a guerra ativa em uma luta entre potências. Entretanto, ainda continua a guerra civil na Síria.

Esta foi a análise de Can ACUN, pesquisador da Fundação para Estudos em Política, Economia e Sociedade, SETA



Notícias relacionadas