EUA apresentam um novo projeto de resolução para a trégua na Síria

O embaixador dos EUA na ONU, Nikki Haley, acusou a Rússia de não manter sua palavra sobre a aplicação do cessar-fogo na Síria

EUA apresentam um novo projeto de resolução para a trégua na Síria

Os Estados Unidos apresentaram ao Conselho de Segurança das Nações Unidas um novo projeto de resolução para a trégua que entrará em vigor imediatamente na Síria e terá efeito vinculativo.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antônio Guterres, apresentou ao conselho o relatório sobre a implementação desta decisão duas semanas após a aprovação em 24 de fevereiro da resolução 2401 que exige uma trégua humanitária de 30 dias na Síria.

A embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, acusou a Rússia de não manter sua palavra sobre a aplicação do cessar-fogo na Síria durante seu discurso em uma sessão em que a "trégua não aplicável" na Síria foi discutida.

Ela enfatizou que as bombas continuam a cair sobre as crianças.

"O cessar-fogo falhou e chegou a hora de agir. Os EUA não permitirão mais desculpas, por isso elaboramos um novo projeto de resolução vinculativa que entrará em vigor quando for aprovado", disse ela.

"O que fazemos aqui se não nos mobilizarmos enquanto as crianças morrem? Se não podemos resgatar as famílias que se escondem sob o chão para fugir das bombas e que não veem o sol por semanas, então o Conselho de Segurança é tão ineficiente quanto as críticas que recebe", acrescentou.

Ela advertiu o regime de Assad sobre o uso de armas químicas na Síria.

"Os EUA estão dispostos a se mobilizarem quando necessário. Esta não é a maneira que preferimos, mostramos nossa mobilização antes, e estamos dispostos a dar um novo passo", advertiu.

Os EUA no ano passado atacaram uma base aérea pertencente ao regime de Assad após os ataques de armas químicas do regime na Síria.

Por sua vez, o embaixador britânico na ONU, Jonathan Allen, disse que 607 pessoas, incluindo 99 crianças e 79 mulheres, perderam a vida desde a decisão de trégua do Conselho de Segurança da ONU na Síria.

O secretário-geral da ONU, Antônio Guterres, destacou que os ataques aéreos e os bombardeios continuaram apesar da decisão do Conselho de Segurança aprovada em 24 de fevereiro e que a trégua nunca foi aplicada.



Notícias relacionadas