Israel alega que um país tentou intervir nas eleições gerais

O presidente da Inteligência Interna de Israel, Nadav Argaman, alegou que um país que permanece no anonimato pretende intervir nas eleições gerais com rumores irreais

Israel alega que um país tentou intervir nas eleições gerais

O presidente do Serviço Interno de Inteligência de Israel, Shin-Bet, Nadav Argaman em um painel de acordo com Yedioth Ahronot, afirmou que um país que permanece anônimo por meio de falsas notícias nas mídias sociais tenta intervir nas eleições gerais.

Argaman pediu aos israelenses para informá-los sobre esses esforços quando forem confrontados em plataformas de comunicação social: "É impossível, nesta fase, os interesses políticos daquele país. Mas vai intervir e eu sei o que eu digo ".

Argaman informou que Israel tem o poder necessário para impedir esses esforços.

Em Yedioth Ahronot alegou-se que a Rússia foi acusada anteriormente com a intervenção às eleições de alguns países, especialmente os EUA mas não estabeleceu o contato entre o seu comentário e as palavras de Argaman.

Por outro lado, o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, declarou que eles não intervieram nas eleições de qualquer país, entre eles os de Israel, e disseram que não têm um plano para o futuro dessa maneira.

Peskov, em Moscou, assinalou que essas afirmações declaradas por organizações de imprensa em Israel não devem ser levadas em conta.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e os secretários-gerais dos partidos de coalizão liderados por ele decidiram as eleições antecipadas em 25 de dezembro.

No comunicado publicado pelos partidos da coalizão, expressou-se que as eleições que foram planejadas para novembro do próximo ano serão realizadas em abril.

A imprensa em Israel declarou que as eleições antecipadas serão realizadas em 9 de abril.



Notícias relacionadas