Paris chama o seu embaixador em Itália para consultas devido aos “ataques sem fundamento”

A medida do governo francês acontece depois do governo italiano se reunir com os manifestantes do movimento dos Coletes Amarelos.

Paris chama o seu embaixador em Itália para consultas devido aos “ataques sem fundamento”

França chamou esta quinta-feira o seu embaixador em Itália para consultas, após a reunião do governo italiano com os manifestantes do movimento dos Coletes Amarelos. 

“A França tem sido, ao longo de vários meses, o objeto de repetidos ataques infundados e declarações escandalosas (por parte do governo italiano)” – afirmou a porta vox do Minstério dos Negócios Estrangeiros de França, Agnes von der Muhll, através de uma declaração escrita.

O governo francês considera que há da parte de Roma uma “interferência nas questões internas de França” que constituem uma provocação adicional e inaceitável, em referência ao encontro desta terça feira entre o vice-presidente do governo italiano eo líder do Movimento 5 Estrelas, Luigi de Maio, com os manifestantes do movimento dos Coletes Amarelos.

“Estas interferências violam o respeito devido à eleição democrática feita por um povo amigo e aliado e ao respeito que governos democráticos e livremente escolhidos se devem entre eles", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros numa declaração oficial.

Di Maio reuniu-se esta terça-feira em Paris com um porta-voz dos "coletes amarelos", Christophe Chalençon, e com Ingrid Levavasseur, promotora de uma lista desse movimento contestatário para as próximas eleições europeias, a Reunião de Iniciativa Cidadã.

O ministério destacou que "há meses que França é alvo de repetidas acusações, ataques sem fundamento e declarações degradantes que todos conhecem e podem-se lembrar. É algo que não tem precedentes desde o final da guerra".
As autoridades francesas sublinharam que "ter desacordos é uma coisa, mas instrumentalizar a relação com fins eleitorais é outra".

"Todos estes atos criam uma situação grave que causa interrogações sobre as intenções do Governo italiano relativamente à sua relação com França. Perante esta situação sem precedentes, o Executivo francês decidiu chamar o embaixador de França em Itália para consultas", acrescenta-se.

O ministério lembrou que os dois países estão unidos por "uma história comum" que é "mais indispensável do que nunca para superar os seus desafios no século XXI", e pediu a Itália "atuar para recuperar a relação de amizade e respeito mútuo" à altura desse passado e "destino comum".

Pelo menos 10 pessoas morreram e outras 6 mil foram detidas desde o começo dos protestos dos Coletes Amarelos em França. Houve também mais de 2 mil feridos durante os protestos, que começaram em França mas que acabariam por se estender a outros países europeus como a Suécia ou os Países Baixos.



Notícias relacionadas