Governo espanhol mantém contrato de venda de bombas à Arábia Saudita

O governo "não encontrou nenhuma razão" para não vender armas à Arábia Saudita.

Governo espanhol mantém contrato de venda de bombas à Arábia Saudita

O ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, Josep Borrell, confirmou hoje que Espanha vai manter o contrato de venda de 400 bombas de precisão laser à Arábia Saudita.

O governo "não encontrou nenhuma razão" para não o cumprir - afirmou o ministro espanhol em entrevista à rádio Onda Cero.

O Ministério da Defesa espanhol tinha avançado que ia cancelar o contrato e devolver os 9,2 milhões de euros que as autoridades sauditas tinham pago por este material, embora o governo tenha depois ressaltado que tratava-se de uma declaração de intenções e que a decisão definitiva não tinha sido ainda adotada.

No passado 16 de agosto, o ministério espanhol da Defesa afirmou que ia rever a venda de armas ainda em apreciação e "que pudessem implicar a utilização direta deste tipo de armamento contra população civil" - em alusão ao ataque contra um autocarro de crianças no Iémen, no início de setembro.

O anúncio de que iam começar os trâmites para a paralisação desta venda de bombas, fez disparar o alarme sobre um possível cancelamento do acordo assinado com a Arábia Saudita para o fabrico nos estaleiros de Cádiz (sul de Espanha) de cinco corvetas a cargo da empresa pública Navantia.



Notícias relacionadas