Al Malki: "Não se pode falar de uma confederação antes que a ocupação termine"

O ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riad al Malki, rejeitou hoje em Madri o plano americano de uma confederação jordaniano-palestina, sem que antes acabe a ocupação israelense

Al Malki: "Não se pode falar de uma confederação antes que a ocupação termine"

Madri, 4 set (EFE) .- O ministro das Relações Exteriores da Palestina, Riad al Malki, rejeitou hoje em Madri o plano dos Estados Unidos para uma confederação jordaniano-palestina, sem antes suspender a ocupação de Israel e um plebiscito a ser realizado na Jordânia e na Palestina.

Não se pode falar realisticamente de uma confederação antes do fim da ocupação" da Cisjordânia e do bloqueio de Gaza por parte de Israel, disse Malki durante uma coletiva de imprensa conjunta com seu colega espanhol, Josep Borrell.

"Além disso", acrescentou, "teria que haver um plebiscito popular entre a população da Cisjordânia e da Palestina de antemão".

O chefe da diplomacia palestina reiterou que "não se pode confiar nos Estados Unidos" como mediador, embora não tenha fechado completamente a porta dizendo que "estamos dispostos a fazer parte de um grupo de países de diálogo".

Al Malki chamou de "pressão" para aceitar este plano, a cessação da ajuda dos EUA à agência da ONU para a ajuda dos refugiados palestinos, UNRWA, que recebem mais de cinco milhões de pessoas espalhadas pela Cisjordânia, Gaza, Jerusalém Oriental, Jordânia e Líbano.

Descreveu isso como um "gesto de animosidade" contra a Palestina e uma tomada em favor de Israel.



Notícias relacionadas