Venezuela: 85% dos medicamentos não estão disponíveis

"Mais de 150 farmácias encerraram em menos de dois anos e as que continuam a operar têm um défice de 85% no abastecimento de medicamentos” – indicou a Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven).

Venezuela: 85% dos medicamentos não estão disponíveis

A Federação Farmacêutica Venezuelana (Fefarven) fez saber que estão em falta 85% dos medicamentos que se comercializam no país. A denúncia surgiu um dia depois de o Governo venezuelano ter definido preços fixos para 56 medicamentos durante os próximos 90 dias.

Entre os princípios ativos dos medicamentos cujos preços foram fixados, contam-se o losartán (para a hipertensão), omeprazol, acetaminofén (paracetemol), ácilo fólico (vitamina B), azitromicina, ciprofloxacina, fenobarbitral, ibuprofeno e o ketoprofeno. A divulgação dos preços destes produtos ocorre num momento em que os venezuelanos criticam as dificuldades para obter alguns medicamentos no mercado local, entre eles, os destinados a combater a hipertensão e para o tratamento da diabetes.

Por vezes, estes medicamentos estão disponíveis em farmácias que fazem importação de medicamentos, mas a preços inacessíveis para a maioria dos venezuelanos, tendo em conta os baixos salários e a constante desvalorização da moeda local (o bolívar soberano).

"Mais de 150 farmácias encerraram em menos de dois anos e as que continuam a operar têm um défice de 85% no abastecimento de medicamentos, devido às políticas implementadas pelo Governo nacional", disse aos jornalistas o presidente da Fefarven, Freddy Ceballos, que acrescentou ainda que “a decisão do Governo em estabelecer, "de maneira impositiva", o preço dos medicamentos poderá provocar mais escassez no setor, principalmente se não houver uma atualização periódica do valor dos mesmos”.

A Fefarven avisa ainda que na situação atual a Venezuela se tornou no "melhor caldo para cultivo de ilícitos" na área farmacêutica, assim como a rota de passagem de medicamentos falsificados e sem nenhum tipo de controlo sanitário”.



Notícias relacionadas