Um incêndio destrói o Museu Nacional do Rio de Janeiro

Um incêndio ainda está ativo hoje no Museu Nacional do Rio de Janeiro, que contém cerca de 20 milhões de peças que datam da era imperial brasileira e que celebra em 2018 seus 200 anos de história.

Um incêndio destrói o Museu Nacional do Rio de Janeiro

São Paulo, 03 de setembro (EFE) - Um incêndio ocorreu hoje no Museu Nacional do Rio de Janeiro, o lar de cerca de 20 milhões de peças que datam da era imperial brasileira e celebrando este 2018 a sua história de 200 anos.

As chamas começaram no recinto por volta das 19h30 do domingo (22h30 no horário de Brasília), quando foi fechada ao público e havia apenas quatro guardas lá dentro. No entanto, de acordo com as informações oferecidas pelo próprio museu, não houve feridos, uma vez que todos conseguiram sair a tempo.

As causas que originaram o incêndio ainda são desconhecidas, informaram as autoridades.

O ex-diretor do Museu Nacional do Rio de Janeiro, José Perez Pombal, que estava no local, enviou um Efe áudio no qual ele afirmou, nada mais registrá-lo, o que "não ficará nada."

"Não haverá mais nada, as chamas são tão altas e o fogo está em toda parte, o palácio vai queimar tudo e também as coleções, as múmias, tudo", disse ele.

"Acabou, não sei se a instituição continuará a existir depois disso", finalizou.

O vice-diretor da instituição, Luis Fernando Duarte, denunciou que a "falta de apoio e a falta de consciência" do poder público levaram a essa "situação trágica".

"Nós lutamos anos atrás, em diferentes governos, para obter recursos para preservar adequadamente tudo o que foi destruído hoje", disse Duarte à TV local.

Por sua parte, o presidente do Brasil, Michel Temer, lamentou em comunicado oficial o incidente, que descreveu como "um dia trágico para a museologia" no país.

"Incalculável para o Brasil a perda da coleção do Museu Nacional", porque "se perderam duzentos anos de trabalho, pesquisa e conhecimento", expressou Temer.

"É um dia triste para todos os brasileiros", acrescentou.

Também o Ministro da Cultura do Brasil, Sérgio Sá Leitão disse que é um dia de luto e que a situação é lamentável, mas disse que é um resultado de "anos de negligência".

"Deixe isso servir de alerta para que tragédias como essa não se repitam em outros museus e outras instituições", disse o ministro à televisão local.

 

O Museu Nacional do Rio de Janeiro, criado pelo rei Juan VI de Portugal em 6 de junho de 1818, é considerado o quinto maior do mundo em termos de arrecadação. EFE
 



Notícias relacionadas