6 mortos em ataques das forças do governo da Nicarágua nas últimas horas

Os ataques do governo começaram depois de na passada segunda-feira, os habitantes de Masaya terem declarado a cidade "território livre do ditador", em referência ao presidente Daniel Ortega.

6 mortos em ataques das forças do governo da Nicarágua nas últimas horas

Uma mulher morreu este domingo na cidade nicaraguense de Masaya, vítima de um disparo durante o ataque das "forças combinadas do governo". Subiu assim para 6 o número de vítimas registas nas últimas horas, no contexto de crise no país. A informação foi avançada pela Associação Nicaraguense Pro Direitos Humanos (ANPDH).

A mulher estava a atravessar a rua quando as forças governamentais iniciaram um tiroteio em Masaya, dois dias depois da Igreja ter mediado para evitar um ataque armado contra o povo indígena de Minimbó, na mesma cidade.

Os ataques do governo começaram depois de na passada segunda-feira, os habitantes de Masaya terem declarado a cidade "território livre do ditador", em referência ao presidente Daniel Ortega.

Masaya teve um papel fundamental em 1 979, quando os nicaraguenses derrubaram o ditador Anastasio Somoza Debayle, numa altura em que Ortega estava a viver no exílio na Costa Rica.

Na sexta feira, os países membros do Conselho Permanente da Organização de Estados Americanos (OEA), com a exceção da Venezuela, apoiaram o relatório da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que responsabilizou o governo de Ortega pela morte de pelo menos 212 pessoas, sem incluir os 6 mortos confirmados deste domingo.

A Nicarágua vive há 2 meses a sua crise sociopolítica mais sangrenta desde a década de 80, também com Ortega como presidente.



Notícias relacionadas