República Centro Africana: pelo menos 48 mortos em confrontos entre grupos armados

Cerca de 20 mil pessoas foram deslocadas, de acordo com a ONU.

República Centro Africana: pelo menos 48 mortos em confrontos entre grupos armados

Um balanço anterior dava conta de pelo menos 37 mortos, incluindo dois padres, resultantes de combates na quinta-feira entre milícias anti-Balaka e o grupo armado União para a Paz na República Centro-Africana (UPC).

No sábado, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, responsabilizou a UPC pelo ataque ao campo de deslocados. De acordo com a ONU, cerca de 20 mil pessoas foram deslocadas por estes ataques.

A França sublinhou hoje a "urgência" de a União Africana prosseguir com o processo de paz na República Centro-Africana (RCA), após a nova vaga de violência. Paris congratulou-se também pela entrega ao Tribunal Penal Internacional de um antigo chefe das milícias.

"Os atos de violência registados mostram a urgência de haver progressos na iniciativa africana de paz pela União Africana - e que a França apoia plenamente – tendo como objetivo alcançar o desarmamento efetivo e a desmobilização de grupos armados", indicou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros de França, que acrescentou ainda "É um imperativo que todos os grupos armados em Bangui e no resto do país cessem todas as formas de violência e atividades desestabilizadoras, depondo as armas e empenhando-se sem atrasos e sem condições no processo de paz".



Notícias relacionadas