A semana mundial em revista 23 - 27 Março

A semana mundial em revista 23 - 27 Março

SEGUNDA-FEIRA

Grécia e Alemanha mantiveram contatos ao mais alto nível para tentar encontrar uma solução para a crise financeira na Grécia. Do encontro entre Merkel e Tsipras, saiu uma declaração de tom conciliador, pelo menos na aparência. Porque de facto não foram feitos avanços significativos.

A Alemanha deixou também claro que o tema das indemnizações relativas à II Guerra Mundial não está em aberto, e que não serão pagas quaisquer compensações adicionais.

 

TERÇA-FEIRA

Tragédia nos Alpes, depois de um avião da Germanwings se ter despenhado e provocado a morte de todos os 150 ocupantes a bordo. Dois dias depois, na quinta-feira, ficou a saber-se que o acidente foi provocado pelo co-piloto, que impediu o comandante de entrar no cockpit e fez despenhar o aparelho contra as montanhas.

 

QUARTA-FEIRA

Clima cada vez mais tenso entre os Estados Unidos e Israel, com o lado americano a deixar claro que a Cisjordânia é um território ocupado e que Israel deve pôr fim à ocupação. A Casa Branca fez também saber que a falta de avanços neste tema, forçará Washington a tomar medidas.

Quarta-feira foi também o dia em que drones americanos mataram 13 terroristas numa zona fronteiriça entre o Afeganistão e o Paquistão.

 

QUINTA-FEIRA

Este dia ficou marcado pela intervenção militar dos países do Golfo Pérsico no Iémen. Liderados pela Arábia Saudita, um total de 5 países atacou posições militares houti no Iémen, fazendo um número não contabilizado de vítimas entre os rebeldes.

A Turquia fez de imediato saber que apoia a intervenção, enquanto que o Irão se mostrou contra esta operação militar.

 

SEXTA-FEIRA

A semana terminou com números negros. O Observatório para os Direitos Humanos na Síria, informou que pelo menos 108 pessoas foram mortas pelas forças do regime sírio em vários pontos da Síria. Há data desta edição, estas informações não puderam ainda ser confirmadas por fontes independentes, mas os meios de comunicação do governo sírio deram conta de uma grande operação das forças do regime, da qual teriam resultado numerosas baixas do lado da oposição Síria.

Em África, e de acordo com a organização de direitos humanos Human Rights Watch, ficou-se a saber que só em 2015, já morreram mais de 1.000 pessoas às mãos dos terroristas do Boko Haram. Este número está muito acima do verificado por esta altura do ano passado, e revela um forte intensificar da violência no Nordeste da Nigéria. Nas últimas semanas, o conflito alastrou também aos Camarões, Chade e Níger.


Etiquetas:

Notícias relacionadas